QUER SABER?

Ortodontia em Adultos 
 

Adultos também podem usar aparelhos orto­dônticos?

Sim, os pacientes que possuem desajustes na posi­ção dos dentes ou no tamanho dos ossos da face, com conseqüente desarmonia muscular, devem ser submeti­dos ao tratamento ortodôntico, mesmo quando em ida­de adulta. O descuido com a oclusão pode resultar em danos às estruturas de suporte dental (gengiva e osso), dores ou ruídos na articulação e até mesmo na perda de dentes. Devemos lembrar que ano a ano cresce a expec­tativa de vida do brasileiro e, visto que todos esses pro­blemas são agravados com o aumento da idade, deve­mos corrigi-los o quanto antes, para garantir uma velhice saudável aos nossos pacientes.

 

O tratamento ortodôntico nos adultos traz os mesmos resultados que nos jovens?

Infelizmente, nos adultos, as correções são muito menos abran­gentes que nos jovens, já que nes­tes contamos com o crescimento dos ossos e a adaptação dos múscu­los da face. Além disso, nas cnan­ças, os dentes permanentes ainda estão nascendo, e assim podemos direcioná-los mais facilmente aos seus lugares definitivos.

No adulto, a correção estará li­mitada a melhorar o posiciona­mento dental, e eventuais altera­ções de posição dos ossos faciais somente poderão ser realizadas ci­rurgicamente.

 

Quais são as principais características do tratamento no adulto?

O aumento da idade acarreta maior dificuldade de reparação dos tecidos. Esse fato é de fácil constatação em atletas: observamos que os mais novos curam-se fa­cilmente de lesões, ao passo que os mais velhos têm re­cuperação bastante lenta.

Essa distinção do metabolismo nas várias faixas etá­rias também deve ser observada na movimentação den­tal, realizando-se, no adulto, um tratamento mais lento e mais cuidadoso. Isso, hoje em dia, é possível graças aos recentes avanços da Ortodontia, que emprega fios com­postos por titânio e molibdênio, para produzir movi­mentos suaves e indolores.

 

Os pacientes com doenças gengivais tam­bém podem ser tratados?

 Enquanto a doença periodontal estiver ativa (presen­ça de inflamação), o tratamento ortodôntico é contra in­dicado. Após a estabilização do problema, o ortodontis­ta deve proceder cuidadosa avaliação para mensurar a extensão dos danos provocados e indicar o tipo de apa­relho que mais se ajuste ao caso.

 

Como a ortodontia em adultos pode colabo­rar nos tratamentos clínicos?

Alguns pacientes apresentam problemas complexos que requerem terapias restauradoras, endodônticas, protéticas e/ou periodontais, em conjunto com a prática ortodôntica. Casos de dentes inclinados ou extruídos devido à perda precoce de seus vizinhos ou antagonis­tas; dentes inclusos parcial ou totalmente, assim como dentes girados, podem comprometer seriamente o tra­balho clínico. Para a solução desses problemas, o orto­dontista emprega aparelhos fixos totais (colocados em todo o arco dental) ou parciais (instalados em apenas al­guns dentes), para proceder a pequenos movimentos dentais e, com isso, permitir o sucesso do tratamento in­tegrado.

 

Qual é o tipo de aparelho mais indicado para os adul­tos, o fixo ou o removível?

Os aparelhos removíveis têm sua maior indicação para os jo­vens, uma vez que agem principal­mente reposicionando os ossos e harmonizando a função muscular. Contudo, nos adultos, é necessário um dispositivo que promova o ajuste preciso da posição dos den­tes, e, nesse caso, os aparelhos fi­xos são os indicados, por serem mais eficientes e seguros na movi­mentação.

 

Qual seria a opção mais estética para os aparelhos fixos?

Ha cerca de 20 anos iniciou-se a busca por aparelhos fixos que pos­suíssem um aspecto mais agradável. No início, foram fabricados os braquetes (peças que se fixam aos dentes) de plástico, que logo caíram em de­suso por se deformarem facilmente e sofrerem escureci­mento. Depois, a indústria de materiais ortodônticos adotou a cerâmica como principal constituinte dos aparelhos fixos estéticos, já que esse material resiste melhor às forças produzidas pelo fio e é mais resistente às manchas. Hoje, os pacientes adultos podem contar com dispositivos ortodônticos bastante eficientes e quase invisíveis.

 

Além da estética, existem diferenças entre o aparelho fixo metálico e o cerâmico?

O aparelho de cerâmica tem como principais des­vantagens, em relação ao metálico, seu custo mais ele­vado e maior fragilidade à fratura. Do ponto de vista mecânico, as peças cerâmicas que possuem uma cana­leta metálica no centro são as mais indicadas, pois dimi­nuem o atrito do fio com o aparelho, reduzindo a dura­ção do tratamento.

 
 
 Voltar  Topo  Imprimir
 
   
Clínica Lyra - Todos os direitos reservados.
Responsável Técnico Dr. Fernando Lyra - CROSP: 27.425  
HOME  |  CLÍNICA ESPECIALIZADA  |   QUEM SOMOS  |   EQUIPE  |  VÍDEOS  |  QUER SABER?  |   CONTATO